O que eu também não entendo...

Com a tragédia de sexta-feira, o clima nos USA anda meio sombrio... se não me engane este é o quarto massacre nos USA este ano, e honestamente, é o que mais me assustou. Fiquei pensando em como deve ser desesperador para os pais que perderam seus filhos, tentando me colocar no lugar deles (impossível, eu sei...) Como é que você faz para deixar seu filho no colégio no dia seguinte? Como é que você educa seu filho para lidar com esse tipo de situação? E como é que você explica para uma criança de 5 anos que esse tipo de tragédia aconteceu? Eu, com meus vinte e poucos, não consigo entender... (e devo dizer que mesmo que tivesse 90, acho que, ainda assim, não saberia explicar...)
Na época de Columbine, ainda era uma criança. Esse massacre, para mim, foi coisa de filme, algo completamente surreal... Acho que nem cheguei a me colocar no lugar daqueles adolescentes, afinal, na minha bolhinha brasileira/infantil, isso jamais aconteceria! (assaltos a mão armada e etc faziam parte da minha realidade, mas NUNCA me senti ameaçada em um ambiente acadêmico). Pode até ter sido privilégio meu nunca ter tido essa sensação de insegurança, mas honestamente, será que toda criança não tem o direito de se sentir 100% segura no colégio? (e nós, como uma sociedade, não temos o dever de garantir esta insegurança?!).
Infelizmente, lendo e ouvindo sobre massacres a mão armada, praticamente anualmente, confesso que meu nível de segurança baixou... Engraçado que não tenho medo de andar sozinha a noite, nem de sair de casa com anel de ouro nos dedos, nem de carregar aparelhos eletrônicos por aí... isso faço sem nem pensar! Tenho medo é da insanidade de alguns poucos, que, junto com a facilidade de obter armas, dá margem para a tragédia que ocorreu sexta, principalmente num lugar que a venda dessas armas é legal.
 
 

 
Realmente torço para que, pelo menos dessa vez, o diálogo em relação ao controle do comércio e posse de armas nos USA ganhe força e apoio da população, que o loby criado pelo NRA (National Rifle Association) tome vergonha na cara e pare com essa babaquice de "Armas não matam pessoas. Pessoas com armas é que matam pessoas." Realmente, arma nenhuma dispara sozinha, por vontade própria, sempre tem alguém no gatilho. Mas dado que não dá para se desfazer de "pessoas com armas", e dá para se desfazer do "armas", que tal reavaliarmos a posse de armas?!
Acho um ABSURDO quando alguém vem com esse papo de que "posse de armas é um direito do cidadão, garantido pela Constituição" e não se muda a Constituição (por esse raciocínio, mulheres nunca teriam direito ao voto, escravidão ainda existia, imposto federal seria inexistente, e ah, é verdade, a posse de armas também não seria um direito, afinal, a posse foi uma EMENDA!).
E realmente, em 1791, fazia todo sentido do mundo ter esse direito para proteger sua terra/propriedade, e a segunda emenda funcionava dentro daquele contexto. Mas nos dias de hoje, o contexto é BEM diferente... e NINGUÉM precisa ter um rifle semi-automático em casa para se sentir seguro.
Enfim, eu ainda poderia falar muito sobre este assunto, já que eu realmente não consigo aceitar esse aspecto louco da sociedade americana, e muito menos entendê-lo, mas preciso voltar ao trabalho.

 

Nenhum comentário

Postar um comentário