Pagu - (Reflexo do meu espelho)





Mexo, remexo na inquisição
Só quem já morreu na fogueira
Sabe o que é ser carvão
Eu sou pau prá toda obra
Deus dá asas à minha cobra
Minha força não é bruta
Não sou freira
Nem sou puta...
Porque nem
Toda feiticeira é corcunda
Nem
Toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone
Sou mais macho
Que muito homem
Sou rainha do meu tanque
Sou Pagu indignada no palanque
Fama de porra louca
Tudo bem!
Minha mãe é Maria Ninguém
Não sou atriz
Modelo, dançarina
Meu buraco é mais em cima
Porque nem
Toda feiticeira é corcunda
Nem
Toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone
Sou mais macho
Que muito homem...

(Rita Lee/Zélia Duncan)

Racismo x Adaptação

Alguns ainda se lembrarão da polêmica que envolveu a Microsoft através da sua filial polaca, tudo porque esta resolveu, numa publicidade, substituir a cabeça de um homem mulato pela de um homem branco. "Racismo!" Gritaram logo os habituais setores exaltados da sociedade. "Perdão!" Disse apressadamente a empresa americana.
Quem conseguir aliar o bom senso ao mínimo conhecimento do mundo, saberá que a "identificação" é algo de essencial na publicidade. O público-alvo tem de se identificar com as coisas que vê.
Gente, na Polônia não há negros. E, mesmo havendo, não seriam mais do que uma parcela insignificante das várias dezenas de milhões de habitantes que o país tem, logo, um anúncio com um mulato lá metido, não tem nada a ver com o público-alvo.

Por cá, apesar de os não-brancos não chegarem a, parece, 2% da população, já vai havendo o hábito de exagerar a proporção incluindo sempre alguém mais escuro (nunca preto ou indiano) de forma a contentar os espíritos politicamente corretos.

Mas, na Polônia não o fizeram e,caiu o Carmo e a Trindade. Curiosamente, tivemos acesso a outro caso semelhante, e que envolveu a série de desenho animado "Os Simpsons". Estes, como sabem, são orgulhosamente amarelos, mas passaram por uma cura de escurecimento para a publicidade relativa ao lançamento da série em terras africanas, mais propriamente, em Angola.

E agora? Mudaram a cor dos Simpsons (só para a publicidade),os vestiram com outras roupas, mudaram-lhes os penteados... Poxa, até alteraram a paisagem no quadro pendurado na parede! Mas, atenção, agora já não é um caso de racismo... é, apenas, adaptação ao público-alvo...


E eu pergunto, qual a diferença entre os dois casos?
As pessoas tendem a embelezar as coisas, tudo isso não passa de hipocrisia!

 

"Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, sempre haverá guerra."
(Bob Marley)




Hoje a saudade bateu forte

Na falta de nossas palavras nos encontramos nas dos outros...



"Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche."        (Martha Medeiros)




Se alguém perguntar por mim
Diz que fui por aí
Levando um violão debaixo do braço
Em qualquer esquina eu paro
Em qualquer botequim eu entro
Se houver motivo
É mais um samba que eu faço
Se quiserem saber se volto
Diga que sim
Mas só depois que a saudade se afastar de mim
Tenho um violão para me acompanhar
Tenho muitos amigos, eu sou popular
Tenho a madrugada como companheira
A saudade me dói, o meu peito me rói
Eu estou na cidade, eu estou na favela
Eu estou por aí
Sempre pensando nela

 (Diz que fui por aí, Zé Keti / Hortêncio Rocha)


"Saudade é um sentimento que quando não cabe no coração, escorre pelos olhos."
(Bob Marley)


Afinal, o que é mais cruel: a vida ou a morte?

O Menino do Pijama Listrado

"A infância é medida pelos sons e cheiros e paisagens, antes da hora escura que a razão cresce."






A história:

A própria orelha do livro afirma que esta é uma história que você deve começar a ler sem saber nada sobre a trama. Sendo assim, eu irei dar só algumas informações.
Ele conta a história de Bruno, um garoto explorador de nove anos, filho de um coronel nazista. Este é promovido para trabalhar em um campo de concentração, e a família ver-se obrigada a se mudarem de Berlim para Auschwitz. Desta maneira, Bruno se sente sozinho em meio a um ambiente inóspito. Sem frequentar a escola, sente falta dos amigos e de pessoas de sua idade com quem possa brincar.

Vizinho a sua nova casa, há o que Bruno acredita ser uma fazenda, na qual todos os fazendeiros usam pijamas listrados. Ele avista crianças nesse local, e os imagina como futuros amigos, porém ele é proibido de ir até lá. Com sua natural curiosidade infantil, Bruno explora os arredores e acaba ficando amigo de Shmuel, garoto judeu, com a mesma idade que a sua. A amizade se desenvolve tendo como separação a cerca enorme de arame, que separa esses mundos tão distintos na aparência, mas tão semelhantes em sua essência. E assim começa a história de Bruno.


Opinião do Deputamadre:

Li esse livro em questão de horas, muito bem narrado e realmente prende o leitor até o fim.
Não é só mais um livro que trata sobre a Segunda Guerra Mundial, Nazismo e as infames doidices de Hitler, é mais que isso, ele trata todos esses assuntos, porém, com uma vertente diferente, sob o olhar inocente de uma criança. O  menino cria todo um mundo de fantasias em meio a a uma realidade tão cruel , e é até um pouco engraçado (e comovente, admito) vê como as crianças encaram a realidade de uma maneira tão bela e ingênua. Gostei bastante da sutileza utilizada na trama, em toda ela.
Confesso que achei o final um pouco previsível, mas digo de ante mão: isso não tira a beleza da história, e nem tira o interesse do leitor em ir até o final.


O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

Vale a pena conferir!!!

Mark Ryden - A fome surreal

Um amigo meu, literalmente, me jogou o nome Mark Ryden e disse: "veja as obras do cara que tenho certeza que tu vai gostar!". E ele acertou (como sempre).
Fui surpreendida por uma série de desenhos alucinantes, esquisitos e um tanto quanto curiosos. O trabalho dele é bastante detalhado, envolve principalmente caricaturas, e uma espantosa combinação de garotinhas, carne, numerologia, simbologia, religião dentre outros (muitos outros). Fiquei tão intrigada (bestificada é a palavra mais adequada), que resolvi "estudar" a vida do dito cujo, e não é que eu fiquei sabendo que ele é um dos mais respeitados artistas plásticos underground de todos os tempos! O cara "tá" bem na fita!!! (rsrsrsrs).
Não sei se é porque gosto de coisas que despertam minha curiosidade, ou (muito provavelmente) meu lado que adora tudo que fuja do normal também ajudou, o fato é que eu adorei tudo que vi até agora: pinturas, o lado surreal, pitadas renascentistas, etc, etc, etc... Tudo que pude identificar (até o momento) analisando as obras de Ryden, me fazem querer saber cada vez mais sobre seu trabalho. Gente, o cara faz uma união brilhante de coisas bizarras, amáveis e grotescas num só lugar e fica perfeito!
E, para que vocês fiquem curiosos (assim como eu) tentando entender o que se passa na mente deste desenhista, deixo aqui algumas obras do mesmo. E meu muito obrigado à Adriano Araújo (o cara que me bombardeou o fenômeno Ryden) por mais essa...






















































Mafalda - de Quino


Gente, eu A-DO-RO a Mafalda!!! Então, sendo assim, não poderia deixar de falar da minha baixinha predileta aqui no Deputamadre. Acho, sem sombra de dúvidas, que a criação dessa personagem foi uma sacada inteligentíssima do Quino (seu criador), que por meio de Mafalda e seu mundo pequeno burguês, reflete sobre a realidade de seu tempo, colocando suas idéias e imaginando saídas nem sempre fáceis para as questões que o angustiam, para os dilemas da contemporaneidade. Mas falemos sobre essa explêndida obra que surgiu nos anos 60, e sobre seus personagens incríveis!





Uma criança que fala aquilo que pensa e por isso coloca os adultos em situações embaraçosas. Uma menina de opinião, com uma visão bastante crítica da realidade. Uma sonhadora. Uma contestadora. Uma cínica. Tem 6 anos de idade, odeia sopa e adora The Beatles e o desenho do Pica-Pau. Sim meus caros, essa é a Mafalda! Em termos gerais, é apenas uma menina que vive na Argentina dos anos 1960, com pais normais de classe média, que vai à escola, possui alguns amigos com quem realiza as brincadeiras normais de toda criança e viaja com a família para a praia no período de férias. No entanto, ela é muito mais do que esta simples descrição pode passar. Acima de tudo, representa uma das personagens mais fascinantes que já apareceram nas histórias em quadrinhos latino-americanas, personificando a insatisfação frente a uma realidade social e econômica que, mais do que respostas, apenas desperta perguntas e inquietações. Ainda assim, nesse sentido, é muito mais que uma criança que apresenta uma postura de adulto, como tantas outras que já surgiram nos quadrinhos: ela é a porta-voz de todas aquelas questões que os leitores de suas tiras gostariam de ter a coragem de colocar para o mundo, mas que nem sempre conseguem fazê-lo. Ela possui uma visão mais humanista e aguçada do mundo em comparação aos outros personagens desta obra.


Papá (Pelicarpo, 29 de setembro de 1964): O pai trabalha em uma companhia de seguros, adora cultivar plantas em seu apartamento e entra em crise quando repara na sua idade.
Mamã (Raquel, 06 de outubro de 1964): Típica dona de casa, não completou os estudos (por isso é vista como medíocre pela Mafalda), entra em conflitos com a filha quando prepara sopas e macarrão.
 

Filipe (19 de janeiro de 1965), morador do mesmo prédio e primeiro amigo de Mafalda, um sonhador que odeia a escola, mas que frequentemente trava intensas batalhas com sua consciência e seu senso nato de responsabilidade. Inseguro do futuro, apaixonado por Brigitte Bardot, a musa dos anos 60. Leitor entusiasmado das histórias em quadrinhos do "Cavaleiro Solitário", acredita em tudo que lê nos jornais. Tem idéias grandiosas, que são sempre frustadas pelos amigos, o que invariavelmente o faz ficar amargurado. Eu diria que ele é o contraponto da protagonista. É aquele com o qual Quino, seu criador, mais se indentifica, foi baseado em um seu amigo de infância chamado Jorge Timossi.

 

Manolito (Manuel Goreiro "Manelito", 29 de março de 1965), É filho de Don Manolo, imigrante espanhol dono de uma mercearia, de quem herdou os traços fisionômicos e a vocação para o comércio. Seu grande sonho é crescer e ser dono de uma cadeia de supermercados. Materialista, caracteriza-se por sua brutalidade, pela descrença quanto às coisas do espírito – a ele não lhe agradam os Beatles –, tendo uma visão prática do mundo. Admira os norte-americanos, por sua riqueza, e está sempre imaginando formas de se tornar igual a eles (do que não se excluem artimanhas para fazer com que os amigos comprem mais coisas no armazém de seu pai...). Apesar de tudo, no entanto, é um trabalhador abnegado, o que não impede que em várias ocasiões demonstre, até mesmo de forma ingênua, uma grande capacidade de afeição pelos demais personagens da série.

 

Susanita (Susana Beatriz Clotilde Chirusi, 06 de junho de 1965), Uma menina fútil. Seu único objetivo na vida é encontrar um marido rico e de boa aparência quando crescer, e ter uma quantidade de filhos acima da média. É uma grande fofoqueira e egoísta, e sempre encontra um jeito de falar sobre o vizinho do irmão da cunhada de alguém. Sempre fora da realidade, busca não se envolver com os problemas do mundo e prende-se às aparências. Enquanto Mafalda personifica a mulher liberada que busca se colocar em pé de igualdade em relação ao sexo oposto, Susanita é a visão tradicional do papel da mulher na sociedade, o que ocasiona frequente atrito entre as duas meninas.





Guille "Gui" (Guillermo, "Guilherme", 1968), Mais do que um representante do embate pais e filhos, personifica, em sua relação com Mafalda, a diferença de opiniões entre gerações separadas por apenas alguns anos. A partir do aparecimento do irmão, a protagonista passa a representar a crítica ao mundo constituído, fechando-se na reflexão abstrata, na visão realista da sociedade em que vive, e assumindo uma agudeza conceitual à qual não cabem mais os sorrisos e brincadeiras que eram tão comuns antes de se tornar a filha mais velha. Nesse novo papel, ela tem que responder para o irmão as mesmas perguntas embaraçosas que antes colocava aos pais.



Miguel "Miguelito" Pitti: Amigo de Mafalda, um pouco mais jovem do que os outros. Filho único, com uma personalidade única, mas com um coração enorme. Miguelito tem dificuldade de compreender o que Mafalda pensa, sempre entendendo os conselhos de sua amiga de maneira literal. É a inocência personificada, alguém sempre em busca de compreender o mundo que o cerca e admirado pelas contradições existentes, que não sabe explicar. Surge repentinamente na praia, durante uma viagem de férias da protagonista, agregando-se posteriormente à tira.

       
                                                                                                                                                  



Liberdade (Libertad, 15 de fevereiro de 1970), é a última a aparecer na tira, filha de pais hippies, pequena e contestadora, é uma metáfora da própria Liberdade, um permanente incômodo para todos.Gosta das coisas simples da vida, e se torna a válvula de escape para idéias que estavam no ar durante o período que Mafalda não podia dar voz, devido a suas características esquemáticas.








Burocracia: É a tartaruguinha dada por seu pai a Mafalda e Guile. Mafalda a batizou com esse nome por ela ser tão vagarosa. Só aparece a partir do livro "As Férias da Mafalda".  (Desculpem, mas não encontrei uma imagem que a Burocracia estivesse só, então, vai essa mesmo!)



 




Eu acredito que muito exista a dizer sobre o mundo de Mafalda. Muito a ser analisado, tão complexas são suas inquietações e as relações que desenvolve com a família, com os amigos e com o mundo em que vive. Trata-se de uma história em quadrinhos povoada principalmente por crianças, mas não é exatamente uma série para crianças. Embora os pequenos possam ler as tiras de Mafalda e se identificar com as preocupações e desencontros de seu mundo infantil, o público da menina é mesmo composto por leitores adultos, que conseguem – ou, pelo menos, tentam... – entender sua posição em relação às relações de poder na sociedade e à opressão dos mais fracos pelos mais fortes. Pois em Mafalda nada é simples: quando pensamos que sua posição está firmada sobre um determinado assunto, ela nos surpreende com um aspecto inusitado da questão, com uma pergunta bombástica, com uma expressão de enfado, de asco ou de pena frente a uma situação ou personagem específicas. O desenvolvimento da tira faz aos poucos com que ela evolua, amadureça em sua visão de mundo, perca algumas de suas características – em geral, as mais infantis –, que são assumidas pelas demais personagens. Recomendo aos meus leitores o livro "Toda Mafalda", nele vocês irão encontrar da primeira a última tirinha dessa obra (que não me canso de dizer) magnífica.

 E para concluir, acrescento uma imagem da Mafalda que eu A-DO-RO, é praticamente um resumo de tudo em uma só imagem... E ponho também uma frase dela que acho simplesmente... Vocês vão ler, nem precisa de explicações, ela fala por si só...

 


"Já que há mundos evoluídos, por que tive que nascer justo neste?"
(Mafalda)

Viva o Photoshop!!!! Ou não...

Ninguém aqui é tão ingênuo que ainda acredita em Papai Noel, Coelhinho da Páscoa, que Larissa Riquelme não tem silicone e que nenhuma famosa não usa photoshop nas fotos de revista (principalmente aquelas famosas masculinas).
Tá, normal que elas tenham que ficar "vendáveis" nas revistas e tal...mas eu acho interessante a discussão de que até que ponto deve-se usar as ferramentas disponíveis deste programa magnífico para transformar a imagem de pessoas?
Tanto se exagerou com essas alterações, que já estão falando que toda foto manipulada por Photoshop receba uma legenda ou um selo informando que a mesma foi alterada (Não sei se isso vira lei ou se é só boato).
ACABOU o sonho dos homens, aquelas mulheres magníficas e perfeitas das capas de revistas são tão normais quanto as que circulam pelas ruas diariamente.


Vejam algumas transformações que já rolaram no "Fantástico Mundo do Photoshop":







Quase que dá pra brincar de jogo dos sete erros com a coitada da Gyselle. O photoshop foi tão, mas tão exagerado que a moça ficou completamente reta da cintura pra baixo.Ela tem tipo um 'calombo' na mão, e os seios saltam meio que "de repente", fora que ficaram meio triangulares, mas em compensação o bumbum dela tá RE-DON-DI-NHO! Fala sério!! Acabaram com ela! Talvez ela seja mais bonita sem essas "regras de plástico" que a mídia dita.






 Ha, olha a Melancia! Mas, espera um minutinho, cadê o atributo da moça que a fez ganhar esse título? Não só diminuiram o bumbum da Mulher Melancia, como deram a ela uma cinturinha de dar IN-VE-JA a qualquer mulher na face da terra! Gente, ela não tem essa cinturinha nem aqui nem na feira!!!! Olhem só como ela é de verdade...


PASMEM!!! Ela é assim!






Olhem só a Isis Valverde! Maravilhosa não acham? Eu também, mas, vamos ao "por trás do photoshop":


Sim pessoal, ela tem barriguinha e celulite como qualquer mortal!
 





Gente, agora tá explicado porque toda mulher famosa em revista tem essa pele cor de pêssego. T-O-D-A-S!!! Já perceberam isso?!? Tá, só não são todas pois as negras ficam com uma cor meio que de bombom, mas também seguem uma mesma linha...
Mas deixemos a barriga, a pele, as olheiras... Cadê a tatuagem da Carol Castro???!!!???




 Lembraram da pele rosada? E o que dizer de uma mulher que tem mais de 1 metro de bunda e não ter nenhuma celulite?! Aff, eu juro que se encontrar uma típica mulher melancia (ou pêra) sem nenhuma celulite eu enfarto, não tem jeito gente, vamos combinar...




Não disse?!!?? Olhem aí a Juliana Paes NATURALMENTE!







Agora vem cá amiga, você com seus 20 e poucos anos tem esse corpão aí que  a Susana Vieira exiba aos mais de 60?!?!?! Sinceramente, eu não. Nem um pouco, mas eu não uso photoshop no dia-a-dia.
Nada contra a atriz, mas é um tanto quanto irreal uma mulher com 60 anos exibir esse corpão não?!?! Todo mundo envelhece, cria rugas, bumbum cai, barriguinha cresce, normal gente, normal...

Tanto é normal que...




Eu não estou aqui para fazer demagogia contra as revistas masculinas, mesmo porque elas não põe as mãos no meu lindo dinheirinho, então pra mim não faz a mínima diferença. Só estou tentando mostrar que não existe essa de "mulher perfeita", todas são lindas, maravilhosas e não precisam ser "plastificadas" pra poder transparecer isso.

E já dizia o poeta, celulite é: 'Eu sou gostosa em braile' então pra quê usar o photoshop pra tirar ela?! Maridão gosta! rsrsrs
;)














A Mão Esquerda de Deus

"Seu nome é Cale. Disseram que ele podia destruir o mundo.
Talvez ele destrua..."


Sinopse:
"O Santuário dos Redentores é um lugar desolador. Um lugar onde a esperança e a alegria não são bem-vindas. A maior parte dos meninos que habitam o lugar foi levada para lá muito nova e contra a vontade. Eles padecem sob regime opressor dos Lordes Redentores, cuja violência e crueldade têm como único propósito: honrar a memória do Redentor Enforcado - e passam suas vidas prisioneiros dos corredores labirínticos e tortuosos do Santuário, um lugar com séculos de história e segredos, e que ninguém conhece por completo..."


 "Preste atenção. O Santuário dos Redentores no Penhasco de Shotover deve seu nome a uma grande mentira, pois há pouca redenção naquele lugar e tampouco serve de refúgio divino."


Review do Deputamadre:
Sei que a maioria dos blogs já publicaram resenhas sobre este livro a um bom tempo, mas eu só acabei de lê-lo hoje... hehehehehe... então, vamos nós!
Dizem que este livro veio para acalentar os corações órfãos de Harry Potter e Senhor dos Anéis, apezar de eu, na minha singela opinião, achar que cada obra deva ser tratada de forma singular. Mas, de toda maneira, é uma excelente história.
A trama se passa em um cenário desolador, um misto de prisão, campo de treinamento militar e mosteiro. Este local é habitado por garotos, que são submetidos à todo tipo de maus tratos e torturas com fim de se tornarem exímes matadores, e pelos Redentores, um grupo de Padres Guerreiros fanáticos, com a missão de expurgar os hereges da face da terra (pelo menos é isso que eles falam...).
Entre esses garotos há um que se destaca, seu nome é Thomas Cale, que possui uma capacidade incomum de matar pessoas e organizar estratégias de combate. Ele abriu a porta errada na hora errada... E eis que sua Saga se inicia! Uma história envolvente, cheia de suspense e desfechos de tirar o fôlego!

"Conheça o Anjo da Morte!" 

Coração que fica triste...

Nessas horas que meus olhos parecem dois rios de lágrimas e meu coração parece que vai explodir de tanta tristeza, me fogem as palavras. Não sei qual das duas é mais cruel: a vida ou a morte. Parei de me perguntar por que perdemos pessoas que amamos, tão cedo, há muito tempo. Não que a resposta não me interesse mais, eu só não tenho mais coragem de ir buscá-la...
Duas grandes perdas, dois grandes impactos...


Ewerton Estrela
11/11/1986 - 14/10/2010

O sorriso mais contagiante que já vi! Me recordo dos papos "cabeça", das pipocas e fotos que dividíamos nos corredores da UFCG. O modelo da "Cidade Sorriso". Pegar "busão" ao meio dia (com fome e exaustos) pra irmos até a "Cidade dos Dinossauros" só pra eu passar um fim de semana "diferente" (a gente bolava de rir com isso). O caminho era só alegria! Músicas, piadas e gargalhadas todo o trajeto. Vai deixar saudades meu amigo!!!


Paccelli Gurgel
01/01/1964 - 21/09/2010

O cara mais FODA que já tive o prazer de conhecer. Me ensinou não somente em sala de aula como professor, mas também (e principalmente) fora dela como amigo. Parte da minha maneira de "ver o mundo", vem dele. Saudades dos palavrões escrotos, dos cigarros acompanhados a um copão de café às 7:00hs da manhã, dos show's do mais puro ROCK'N ROLL, da maneira debochada de tratar as "regras" da UFCG, das gargalhadas no "Buteco de Seu Chico"... Tudo sempre regado a cervejas geladas e a uma redinha...  Nunca mais ouvirei um solo de guitarra sem sentir um aperto no meu coração.



O curso de História está de LUTO!



"É tão estranho, os bons morrem jovens, assim parece ser quando me lembro de você que acabou indo embora cedo demais..."
(Renato Russo)

Decidi Triunfar



"E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar...
Decidi não esperar as oportunidades e sim, eu mesmo buscá-las.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução.
Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis.
Decidi ver cada noite como um mistério a resolver.
Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz.
Naquele dia descobri que meu único rival não era mais que minhas próprias limitações e que enfrentá-las era a única e melhor forma de as superar.
Naquele dia, descobri que eu não era o melhor e que talvez eu nunca tivesse sido.
Deixei de me importar com quem ganha ou perde.
Agora me importa simplesmente saber melhor o que fazer.
Aprendi que o difícil não é chegar lá em cima, e sim deixar de subir.
Aprendi que o melhor triunfo é poder chamar alguém de"amigo".
Descobri que o amor é mais que um simples estado de enamoramento, "o amor é uma filosofia de vida".
Naquele dia, deixei de ser um reflexo dos meus escassos triunfos passados e passei a ser uma tênue luz no presente.
Aprendi que de nada serve ser luz se não iluminar o caminho dos demais.
Naquele dia, decidi trocar tantas coisas...
Naquele dia, aprendi que os sonhos existem para tornar-se realidade.
E desde aquele dia já não durmo para descansar... simplesmente durmo para sonhar."

(Walt Disney)

A Menina que Roubava Livros

"Quando a morte contar uma história,você deve parar para ler."








Liesel Meminger é a garotinha que a narradora se refere como "Roubadora de Livros". E acreditem, a narradora da história é a própria morte! A garotinha conseguiu tapear a ceifadora de almas por três vezes, que de tão imprecionada resolveu contar sua história; pois como ela mesma diz :em seu ramo de trabalho,o único dom que lhe salva é a distração... Ela mantém sua sanidade.

 
Apresentando

Uma menina com um irmão morto.
A Alemanha Nazista
Neve
Pais de Criação
A Mulher dos Punhos de Ferro
Um Judeu...
... e um Porão
O Enrolador de Cigarros
Uma porção de roubos
Livros...
...e Bombas
 

Eis um pequeno fato:
Você vai morrer!



Reação ao fato Supracitado:
Isso preocupa você?
Insisto - não tenha medo.
Sou tudo, menos injusta.


Um Anúncio Tranquilizador:
Por favor, mantenha calma, apesar da ameaça anterior.
Sou só garganta…
Não sou violenta.
Não sou maldosa.
Sou só um resultado.


Foi nos livros que Liesel viu a oportunidade de fugir daquilo tudo que a perseguia....
Um duro confronto entre a infância perdida e o mundo adulto.
Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites  ao lado de um certo arcodeonista e enrolador de cigarros, seu pai adotivo, que lhe ensinou a saborear o gosto divino das palavras.
 

Uma sobrevivente.
Um acordeão quebrado.
Um beijo tarde demais.
Um livro perdido e devolvido em tempo.
 

Ao final do livro, quando Liesel encontra a narradora - colhedora de almas-  pela última vez, se depara com uma verdade surpreendente. Face a face com a morte, a Roubadora de Livros escuta a nossa mórbida contadora de história fazer uma revelação intrigante...
 

Última nota de sua narradora:
"Os seres humanos me assombram."


A Dor da Saudade...

    O que é a vida sem as pessoas que mais amamos?Qual sentido de viver sem elas? (se é que exista algum). Como já dizia o poeta: "A dor se veste em segredo..."
Neste dia 22 de outubro de 2010,seria o aniversário de vida da mulher mais amada por mim; minha mãe, que partiu ao encontro do Pai Celestial no dia 19 de agosto de 2004. Uma ferida que nunca cicatrizou,e dói tanto quanto no primeiro dia. Minha maior saudade! Minha maior dor! E decepção... O saudoso Bob Marley já dizia:


"Os ventos que as vezes tiram coisas que amamos, são os mesmos que trazem algo que aprendemos a amar...
Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado, e sim aprender a amar o que nos foi dado. Pois tudo aquilo que é realmente nosso nunca se vai para sempre."


Deixo aqui para vocês leitores uma música que ouvia quando criança, na voz da minha doce e amada "Mainha". Consigo me lembrar como se fosse hoje, o som de sua voz recitando essa música em meus ouvidos,o amor traduzido em palavras... (paro um instante para me recompor...)
Eis que retorno para concluir meu raciocínio...
Uma obra-prima do Vinicius de Moraes composta juntamente com o Toquinho, "Valsa para uma menininha". Leiam:


                                   
"Menininha do meu coração
Eu só quero você
A três palmos do chão
Menininha, não cresça mais não
Fique pequenininha na minha canção
Senhorinha levada
Batendo palminha
Fingindo assustada
Do bicho-papão
Menininha, que graça é você
Uma coisinha assim
Começando a viver
Fique assim, meu amor
Sem crescer
Porque o mundo é ruim, é ruim
E você vai sofrer de repente
Uma desilusão
Porque a vida é somente
Teu bicho-papão
Fique assim, fique assim
Sempre assim
E se lembre de mim
Pelas coisas que eu dei
E também não se esqueça de mim
Quando você souber enfim
De tudo o que eu amei"




"A morte é mais forte que a vida. Mas o amor é mais forte que a morte."
                               (Gibran Khalil Gibran, As Almas Rebeldes)