Casar ou Estudar?

Esses dias li um artigo super interessante no NY Times, discutindo os resultados de várias pesquisas recentes, indicando que, quanto mais capital humano uma mulher tem (capital humano é medido através de formação acadêmica e renda salarial), maiores as chances de ela não apenas casar, mas também ter um casamento duradouro. Essa estatística é baseada em dados americanos e ingleses, mas já é um bom começo.

Achei o artigo bem interessante, pois muitas pessoas ainda acham que existe um lado negativo entre buscar uma educação superior e ter um relacionamento, e acabam abrindo mão de metas acadêmicas e profissionais para satisfazerem o parceiro, o que é uma verdadeira pena. De acordo com as pesquisas, mulheres que têm diploma de faculdade tem uma probabilidade maior do que as que possuem 2º grau de estarem em um relacionamento estável. Adicionalmente, a porcentagem de mulheres com grau universitário que ainda estão casadas após os 40 anos de idade é maior do que as que possuem apenas o 2º grau. 
Não acho que todo mundo TENHA que casar, tá? Acredito que dá para ser feliz sozinho e admiro bastante pessoas que preferem não casar, mas acho importante acabarmos com esse estigma negativo que "mulher com sucesso acadêmico/profissional fica pra titia."
 
Um dos pontos relevantes que o artigo apresenta é a divisão do trabalho doméstico, que, de acordo com as pesquisas, é um dos dois maiores indicadores da satisfação feminina no casamento. Quanto mais alta for a formação acadêmica da mulher em relação ao seu marido, mais egalitária é a divisão do trabalho doméstico. E isso eu acho um ponto super relevante: muitos homens (especialmente no Brasil, infelizmente) ainda tem a impressão que o trabalho doméstico é exclusivamente um âmbito feminino. Nossa, eles não poderiam estar mais enganados... porque pesquisas também indicam que mulheres se sentem muito mais atraídas sexualmente por homens que ajudam no lar (e pelo menos no meu caso, posso garantir que isso é verdade). 

Se isso não for motivo suficiente para acabarmos com o estigma de que existe uma escolha entre nossa própria educação e um relacionamento amoroso feliz, ainda apresento os resultados das pesquisas de Pepper Schwartz  e Virginia Rutter, da Universidade de Washington concluindo que mulheres que têm diploma universitário demonstram interesse maior por sexo, assim como maior interesse em experimentar posições sexuais diferentes e têm orgasmos mais frequentemente.

Infelizmente, ainda existe muitos homens que se sentem emocionalmente inferiores quando suas mulheres conquistam mais academicamente e profissionalmente. As pesquisas concluem que, em geral, esses homens se identificam mais como provedores no relacionamento, e não parceiros, e essa característica é correlacionada a infelicidade no casamento. Para esses pobres coitados, deixo apenas uma frase do próprio NY Times, "Poucas mulheres realmente querem se casar com um homem cujo pênis sobe e desce em conjunto com o tamanho de seu salário ou o prestígio do seu diploma."

3 comentários