# pequenos momentos de felicidade

E longe, lá longe, eu começo a escutar uma música. Parece que a canção está à quilômetros, mas vem do outro lado da rua. Será no bar do hotel? Mas lá não costumam colocar músicas tão alto, e para escutar a música de onde estou o som deveria estar, no mínimo, estrondoso.

E também não é o tipo de música que se toca naquele bar. Ou até é. Música ambiente, MPB, acho que é isso que toca. Mas se o bar fosse meu, eu tocaria de Portishead pra cima. Acho que ia vender bem. Me convenço então que, decididamente, o som não vem do bar do hotel.

Acho que vem desse prédio. Sim, realmente vem desse prédio. 1º andar. A rua está muito barulhenta, o ambiente que estou também. Ouço a música, mas não consigo indentificá-la direito. Mas essa melodia eu conheço, e adoro. Não sei o nome, não sei cantar, mas adoro, sei que adoro. Por sinal, faz tempo que não ouço essa canção. Gosto dessas sensações de redescobertas e pensamentos que te assaltam às oito e meia da noite numa pizzaria qualquer.  Essas memórias ficam guardadas em pequenas caixas e gavetas no cérebro e felizmente se abrem como os pop-ups dos livros infantis para nos trazer uma dose de felicidade e alegria, que a princípio seriam momentâneos mas que perduram durante várias horas do dia até a cabeça ser novamente tomada pelas preocupações da rotina. Mas no fundo, no fundo aquele prazer já mudou o humor do dia.

E a música? Acho que é de Chico. É acho, não tenho certeza. Mal escuto a voz na canção, mas essa melodia…é, acho que é de Chico. Se ao menos eu pudesse escutá-la melhor… Mas só a escuto quebrada em meio ao barulho dos carros em alta velocidade, à vozes de pessoas conversando enquanto comem, à pedidos de conta, ao barulho de talheres nos pratos, à chamados de "Hei, garçon!". Só me resta a migalha da música, suficiente para me fazer sorrir sozinha em meio à multidão, mas a migalha. Só percebo que a canção mudou porque o barulho da rua deu uma trégua e escuto "meu melhor amigo é um violão..." Ah, também gosto dessa. Chico, definitivamente Chico.

Uma criança começa a chorar alto, bem alto. Um casal começa a arrastar cadeiras para se levantarem, pois vão embora. A pizza não chega, demora bastante, e a fome só aumenta. O barulho continua intenso, as pessoas continuam falando, a música acabou, e a única coisa em que consigo pensar é : "ainda bem que vim para esse lugar hoje à noite..."

4 comentários

  1. Adorei o visual novo do blog! Ficou lindo!

    BjoO
    Pri
    Entre Fatos e Livros

    ResponderExcluir
  2. Olá Kerly,
    Falas de Chico Buarque? Gênio. Qualidade assegurada da MPB. Além de um compositor impecável, é torcedor do Fluminense. Então só pode ser gente do bem....eheh
    Mas é isso, como pode um roqueiro gostar de Chico Buarque e MPB? Claro que pode. Deve. Música de qualidade não tem rótulo e prazo de validade.
    Em meio a tanta confusão e dúvidas escritas em seu texto, pelo menos fico contente que tenha gostado de Sound of silence.
    Um beijo e ótima semana pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Kerlynha que delícia de texto! Me fez lembrar o dia em que eu tava tão triste, numa tarde triste, tentando ler e um carro estacionado aqui na rua começou a tocar Pink Floyd. Custei reconhecer a música também, mas era Comfortably Numb, minha favorita deles e isso me deixou feliz na hora! É incrível como a gente encontra a felicidade onde menos espera, né? *-*

    Obrigada pelos elogios ao blog e o Deputamadre tá lindão também de cara nova! *-* Adoooro pin-ups e todas essas coisas vintage!

    Beijinhos,
    Bruna do All Star e Calça Jeans :D

    ResponderExcluir
  4. Devaneios e devaneios :)
    Mas quem nunca se sentiu assim com aquela xícara de café nas mãos absorto em pensamentos?
    Gostei do visual do blog.
    Coincidência a parte, reconheço muito bem a garota que comenta ali em cima.
    Sintonias dessa vida :)

    Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir